G10 favelas desenvolve app em blockchain para moradores

Por: Daniela Abrantes
Publicado em 12/12/2019

Blockchain chegou nas favelas

A organização G10 favelas, em parceria com a plataforma eSolidar e o canal transformadores, lançou um aplicativo para auxiliar moradores de algumas das maiores favelas brasileiras, a comparar preços em compras do dia a dia, como comida, gás e produtos de higiene pessoal.

“Vemos esta tecnologia com um enorme potencial. Em especial para permitir a qualquer pessoa o acesso a serviços financeiros, que é uma das principais razões para a pobreza. Vamos implementar uma das mais ousadas abordagens para erradicação da pobreza, uma renda mínima garantida (Universal Basic Income), usando blockchain, junto de um grupo pré-selecionado de pessoas que vivem em favelas e estão em situação de alta vulnerabilidade.”, explicou Marco Barbosa, fundador e CEO da eSolidar.

A iniciativa faz parte de uma campanha com fundo de financiamento coletivo, que pretende arrecadar R$ 2 milhões para estimular o protagonismo econômico e desenvolvimento de questões sociais nas maiores favelas do Brasil

“O fundo pretende apoiar empreendedores, gerando emprego e atraindo investimentos para as favelas. É uma iniciativa modelo que vai mudar a forma como realizamos captação de recursos, fazendo o processo mais eficiente, colaborativo e conectado a uma rede de apoio”, destaca Gilson Rodrigues, membro do G10 e líder comunitário da favela de Paraisópolis para a Folha de S. Paulo.

O app tem previsão de lançamento para março de 2020 e será feita a fase de testes com moradores de Paraisópolis, para então ser disseminada nas outras favelas, como Rocinha (RJ), Cidade de Deus (RJ), Baixada do Condor (PA), Casa Amarela (PE), Coroadinho (MA), entre outras.