El Salvador anuncia a criação da “Bitcoin City”, cidade com sistema financeiro movido a bitcoin e livre de impostos

Nahyb Bukele, presidente de El Salvador, primeiro país do mundo a adotar o bitcoin como moeda em curso legal, anunciou no último sábado (20) que o país criará a “Bitcoin City”, uma cidade planejada que terá toda sua economia baseada no bitcoin e será livre de impostos. A cidade será localizada no Golfo de Fonseca, entre a cidade de La Union e Conchagua e usará energia geotérmica do vulcão Conchagua para o seu funcionamento e para a mineração de bitcoin.

A Bitcoin City tem o objetivo de impulsionar o uso do bitcoin e desenvolver a economia do país. De acordo com Bukele a cidade terá tudo que uma cidade comum tem, casas, comércios, bares, restaurantes, porto, aeroporto e demais serviços, tudo girando inteiramente em torno do bitcoin. Todas as transações comerciais serão feitas com a criptomoeda. A cidade será construída em formato circular ao redor de uma praça que, vista de cima, terá o símbolo do bitcoin. 

Um dos grandes destaques da Cidade do Bitcoin está nos impostos, ou melhor, na falta deles. O município não terá impostos convencionais como o de renda, propriedade, ganhos de capital ou sobre a folha de pagamento. O único tributo a ser cobrado seria uma espécie de taxa de produtos e serviços, com uma alíquota de 10% – 5% para custear o município e o restante para o Tesouro do país.

O anúncio da criação da Bitcoin City pelo presidente de El Salvador foi feito no encerramento da conferência Labitconf (Latin Bitcoin) que reuniu entusiastas da criptomoeda de todo mundo. Ainda não foi divulgado quando a criação da cidade começaria nem a previsão de ficar pronta. 

Para a criação da Cidade do Bitcoin, o governo de El Salvador fez uma parceria com a empresa de tecnologia blockchain e criptomoedas Blockstream e com a corretora Bitfinex e vai emitir cerca de 1 bilhão de dólares em título de dívida (bond) com base no bitcoin. 

Desse total, cerca de U$500 milhões serão destinados a criação da cidade e os outros U$500 milhões para o país comprar mais do ativo digital. A oferta dos títulos começa em 2022. Eles serão denominados em dólares americanos, terão prazo de 10 anos e pagarão, inicialmente, 6,5% de juros ao ano.