Burger King: Rede de Fast-food se rendeu ao mercado cripto

A rede de fast-food Burger King tem se mostrado aberta ao mercado cripto, em 2019 a empresa passou a aceitar criptomoedas como forma de pagamento na Venezuela,  em julho deste ano, algumas lojas passaram a aceitar dogecoin como pagamento aqui no Brasil, e em setembro a marca lançou nos Estados Unidos a campanha “Burger King Real Meals NFT” com premiações em NFTs para os clientes da rede.

O primeiro aceno do Burger King em relação aos ativos digitais aconteceu em 2019 quanto a marca passou a aceitar pagamentos com Bitcoin, Dash, Litecoin, Ethereum e Tether na Venezuela. Uma alternativa em relação a desvalorização da moeda local no país. 

Já aqui no Brasil o uso da cripto dogecoin como forma de pagamento pela rede aconteceu por tempo limitado e só era aceita nas compras do dogepper, o biscoito para cachorros do Burger King, apesar de não ser uma ação permanente da empresa, a campanha mostrou que a gigante está aberta ao universo cripto e de olho nas tendências do mercado. 

Como foi confirmado com a campanha “Burger King Real Meals NFT” estrelada por vários artistas, entre eles a cantora brasileira Anitta. A ação que aconteceu nos Estados Unidos permitia que todos aqueles que comprassem nas lojas do BK tivessem acesso a um QR Code nas embalagens que desbloquearia NFTs colecionáveis. 

Os NFTs da campanha também proporcionaram prêmios aos clientes, entre eles,  colecionáveis ​​digitais em 3D, vouchers de sanduíches Whooper por um ano e produtos autografados.

O Burger King ainda não sinalizou que vai passar a aceitar cripto em todas as lojas da sua rede, mas, diante das iniciativas isoladas envolvendo o mercado cripto, há uma grande expectativa que isso venha acontecer em um futuro não tão distante.