O futuro do dinheiro: A revolução do Bitcoin

Pense em um mundo no qual o dinheiro seja virtual. Em que as pessoas não precisem mais contar moedas, trazer aquele bolo de cédulas na carteira ou terem o azar de perder as preciosas notas pela rua. Já imaginou? Então saiba que esse futuro já está acontecendo, bem na frente dos seus olhos. Essa tecnologia tem nome chama-se criptomoeda. A mais famosa delas, a bitcoin, surgiu em 2008, criada por uma mente brilhante e igualmente anônima chamada Satoshi Nakamoto.

Moedas como bitcoin funcionam semelhante a um sistema financeiro que já conhecemos, porém com algumas características específicas. A primeira delas é a preocupação com a segurança. As moedas são criptografadas e possuem chaves públicas e privadas. Uma chave pública é um código que pode ser acessado por qualquer pessoa que esteja na rede, seria equivalente ao número de uma conta corrente. Para haver qualquer operação financeira é necessário utilizar a chave pública, pois é o endereço para onde a criptomoeda vai. As chaves privadas são as senhas das carteiras de cada pessoa. O código que é capaz de gerenciar todas as ações de sua carteira, sua conta, sejam elas transferências entre pessoas e a aquisição de moedas. São neste caso a senha da sua conta individual e que deve ser inacessível para qualquer outra pessoa.

Todas as transferências dependem do número de mineradores atuantes na rede, neste caso na blockchain. Sabemos que parece ser um bicho de sete cabeças, mas vamos te explicar ao longo do artigo. A blockchain é uma espécie de livro contábil que registra as transações com criptomoedas na rede. Os usuários, ou melhor parte deles, usam o poder de processamento de seus computadores para validar as transações feitas entre as pessoas, os correntistas, na blockchain. Os computadores tem de resolver inúmeras e complexas equações matemáticas. Isso permite que nenhuma ação dentro do sistema seja repetida ou fraudada por terceiros, pois a blockchain está “sendo escrita” levando em conta todas as transações anteriores. Em troca pelo trabalho, estes profissionais conhecidos por mineradores recebem pagamento em criptomoedas, que são geradas no processo para o equilíbrio da quantidade de dinheiro dentro da blockchain.

O futuro promissor das “criptos” já atraem olhos no Brasil e no mundo. Estabelecimentos como restaurantes, grandes corporações e até mesmo artistas já estão planejando ações no mercado. Em 2018, a dupla sertaneja João Bosco e Vinícius começaram a aceitar bitcoin como forma de pagamento na contratação de seus shows. Gigantes do mercado de tecnologia como a Dell e Microsoft já adotam bitcoin como forma de pagamento em seus serviços. Qualquer produto na Amazon também integra a lista que aceita bitcoin. Passagens aéreas, bebidas, serviços de hotelaria entre outros serviços dos mais de 10 mil estabelecimentos ao redor do mundo compõem o grupo visionário que usa criptomoedas. O futuro integra o presente, desafios vão surgir e a nossa relação com o dinheiro está se transformando. A última pergunta que você deve se fazer é: você está pronto para esta revolução?

Fabio Vieira, redator da Braiscompany.